SEMINÁRIO DOS OLIVAIS

SICUT NOVELLAE OLIVARUM

TESTEMUNHOS VOCACIONAIS


 

BERNARDO TROCADO, 6º Ano, junho 2016

Chamo-me Bernardo Trocado, sou seminarista no Seminário dos Olivais, fui ordenado diácono há seis meses e serei ordenado padre nos próximos dias. Tenho vinte sete anos e venho da paróquia de Santo António do Estoril.

Olhando para a minha história apercebo-me da importância que a minha família teve no meu crescimento. Em minha casa, no meio de muita simplicidade, sempre encontrei um lugar de paz e aí tive o primeira descoberta do que era o amor e do que era Deus, a partir do contacto com os meus pais e os meus três irmãos. Foi pela consistência das relações que tinha em casa, e com coisas tão simples como escrever uma carta no Natal ao Menino Jesus, que Deus foi entrando na minha vida. Estudei desde criança nos Salesianos do Estoril. Desde os onze anos comecei a participar no campos de férias da paróquia do Estoril e até hoje nunca mais deixei de estar ligado a estas experiências de fé.

Só já na Universidade (estive três anos na faculdade de Economia da Universidade Nova) é que comecei a descobrir verdadeiramente a minha paróquia. Foram tempos muito felizes de crescimento, de ver jovens como eu envolvidos na Igreja, e de me sentir “muito em casa” na paróquia. Também foi uma fase de muito crescimento interior e de procura de uma vida ao jeito de Jesus, especialmente devido ao acompanhamento espiritual que comecei a receber do Pe. Ricardo Neves.

Nesta altura não me passava pela cabeça a ideia de ser padre. Mas entretanto, um dia estava com o meu prior – Pe. António Teixeira – e ele começou a insinuar que qualquer dia eu ainda seria padre. Fiquei com muito medo, fiquei confuso, sentia-me “encostado à parede”.  Nem queria acreditar que eu poderia estar a ser chamado. Receava perder tudo o que fazia e tudo o que projectava para o futuro. Foram momentos duros, mas, ao mesmo tempo, não era capaz de virar as costas a Jesus. Só depois de alguns meses é que falei com o Pe. Ricardo sobre isto e ficou decidido que viveria o terceiro ano de faculdade como uma verdadeira entrega a Deus e que daí Jesus tiraria um caminho de verdade para o meu futuro. Foi um ano de muita intimidade com Jesus, muito silêncio, de ir encontrando uma enorme alegria em abdicar de mim para fazer a vontade d’Ele. Gradualmente foi nascendo em mim um grande desejo de me oferecer. Ainda estive a viver em Barcelona seis meses e no dia em que voltei anunciei aos meus pais que queria entrar no seminário.

Sete anos já passaram e tudo pareceu tão rápido. Foram sete anos absolutamente necessários e que confirmaram que o caminho mais feliz que podemos percorrer é mesmo aquele que Jesus escolhe para nós e aquele onde o nosso coração se volta para provocar a felicidade dos outros. Agradeço muito a Deus o modo como Deus usou o seminário para me ensinar a ser um homem maduro, para me ajudar a fazer a experiência de ser filho muito amado de Deus e para transformar o meu coração num coração de misericórdia. Fui aprendendo a deixar Deus construir o meu futuro e fui-me apercebendo que a minha história e a história de Jesus se foram tornando uma só. O futuro até pode ser desconhecido e inesperado, mas torna-se simples enquanto deixarmos ser Deus a oferecê-lo.

 


 

MARCOS MARTINS, 6º Ano, novembro 2015

 

testemunhoMarcosMartinsA poucos dias da ordenação quais os sentimentos no teu coração?

O primeiro sentimento é de uma grande paz, uma vez que não estou neste caminho por mim próprio, confio que o Senhor não me desamparará. O segundo sentimento é o de um são temor da grandeza da vocação a que o Senhor me chama, a ter os mesmos sentimentos de Cristo para com os homens.

 

Como percebeste este chamamento do Senhor?

A parábola do Jovem Rico sempre me inquietou, colocava-me no lugar do jovem rico e com as seguranças todas que tinha na minha vida pensava como era difícil deixar tudo para seguir Jesus. Porém, ficava sempre a pensar: e se eu deixasse tudo e seguisse Jesus?

 

Que palavras queres dirigir aos jovens que também procuram compreender o que o Senhor quer da vida deles?

Primeiro, não tenham medo de se encontrarem com Jesus. Segundo, não tenham medo de construírem uma relação com Jesus. E, se compreenderem que o Senhor vos chama, então Sigam Jesus até ao fim! Pois, vale a pena vender tudo para comprar aquele campo, onde está escondido um tesouro de enorme valor.

Share This